Ganhei de todo mundo na geneiedade.

domingo, 1 de junho de 2014

Inocência.














Inocência é aquela parte do livro da história de nossas vidas em que o mundo era colorido de cores vivas, cujo único significado era a beleza. Depois... Bem... Depois, azul passou a significar: não vai chover. Cinza: vai! Verde: pode avançar. Amarelo: Atenção. Vermelho: Cuidado! Marrom: sujeira! Preto: Perdição... Ah... As cores da nossa inocência!
Lcc

30 comentários:

  1. Pois é... belo é o tempo da inocência... as cores não têm significados avulsos e tão distintos. O verde das folhas seria uma demonstração de que se poderia caminhar por entre as árvores; o marrom do chão não seria sujeira, mas o solo o qual se podia caminhar; o amarelo dizia "atenção para os pássaros e os girassóis! Não os perca de vista. Isso ajudará a caminhar com emoção."; o azul dizia que não iria chover, e que assim se contemplasse o céu limpo; o vermelho poderia lembrar "cuidado para não esquecer de levar os morangos"...
    Eu sou péssima em descrever cores mais sombrias, mas as cores mais alegres bem se podem descrever a beleza da inocência, em especial de uma criança.
    Parabéns pelo texto diferente e lindo. Lindo domingo cheio de cores inocentes a você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens absoluta razão. Encantador teu comentário. É claro que não alimentamos ilusões de um mundo sem sinais amarelos de atenção ou vermelhos de perigo, ou sem o cinza das nuvens de chuva ou o marrom da terra no sapato. Eles existem e nos cercam. O que não podemos é atribuir as cores somente a eles, e lançar a beleza das cores poéticas do mundo num baú dos brinquedos da infância. Ela deve nos acompanhar, vida a fora. O negro de uma noite sem luar, o múltiplo verde dos mares... Eles são belos. Gostei demasiado de tuas cores aqui, tanto quanto aprecio as belíssimas cores de teu blogue. Lindos domingos cheios de poéticas cores inocentes a ti!

      Excluir
  2. Verdade Lucas...e que saudade desse tempinho :)

    Ótimo texto parabéns!
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pegamo-nos com saudades, tanta que às vezes só um lápis de cor ou um paint brush ajuda. Não sei se é mais saudade das cores ou da inocência. Mas, o importante é manter a chama poética acesa, iluminar o mundo com as cores da esperança em nossos olhos. Gratíssimo a ti. Beijinhossssss

      Excluir
  3. Bom dia Lucas.. a vida é tão cheia de cores.. e conforme os anos passam vamos só vendo preto e branco e esquecendo dos anos belos que tivemos.. tudo era inocente.. hj temos que nos esforçar para sair deste estado atual cheio de confusão.. deprimente para se dizer não é.. abraços amigo

    Lapidando Versos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, amigo! É importante percebermos nossas dessintonias com as cores da vida, e mudarmos nossa visão, porque preto, branco e cinza devem ser três das ‘cores’ que percebemos, e não a totalidade delas. Nisso, a inocência e a pureza exercem o papel fundamental. Não é possível sermos inocentes de novo, mas é possível buscarmos gestos puros e qualidades elevadas em nossos pensamentos, palavras e atos. Abraçosssss amigo

      Excluir
  4. Ah... era tão bom essa fase da inocência, mais precisamente a infância. Onde qualquer coisa era sinônimo de festa e brincadeira. Mas aí vem o tempo e vai levando embora a ''inocência'' da gente e nos mostrando que ser tão ''bobinho'' e acreditar em tudo hoje em dia é quase que um suicídio!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boas lembranças! Tudo era expectativa. Na véspera de ir à praia, não se dormia, ficava-se revirando na cama. Não havia malícia, não havia medo. De certo modo, tínhamos em nossos pais, irmãos e parentes, os protetores de nossa inocência, assim como hoje somos protetores da inocência de outros. Tens razão, não é possível acreditar em tudo, isso seria suicídio. Mas ainda dá para acreditar em algumas coisas e pessoas. O número é reduzido, mas é claro que ainda existe. Nesse grupo, depositamos ainda, sim, uma carga de inocência, de expectativa positiva, sem desconfiança. E é nele que a inocência de nossa infância sobrevive. Beijossssssss

      Excluir
  5. oi Lucas

    Acho que devemos guardar um pingo de inocência mesmo qdo crescemos.
    As crianças vivem felizes pq são inocentes, não enxergam o mal em tudo, se amam, amam simples assim.
    Quando perdemos a inocência perdemos a visão do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente tens razão! Deveras, confiamos cegamente em mãe, pai, irmãos, parentes, alguns amigos, pessoas que se mostram dignas. Nisso certamente vive certa ‘inocência’, certa ‘credulidade’ e ‘confiança’. Senão, nunca mais atingiríamos a felicidade. Como alcança-la sem esse tipo de relacionamento? Se perdermos essa ‘inocência’ com que convivemos e confiamos nestas pessoas, perderemos, sim, a visão do mundo e da vida. Muitos enlouquecem, porque não podem mais confiar em ninguém, e a maldade e a malícia são a única coisa que esperam das pessoas ao redor. É preciso guardar um pingo mágico do melhor de nós no coração, nem que seja só ali.

      Excluir
  6. As cores falam tanto sobre nós, sobre as percepções, sobre tudo...
    Saudades sinto e creio que muitos sentem da infância onde tudo significava beleza e não apenas as cores, não apenas olhares puros como os das crianças...
    Bela observação, Lucas. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estás correta, as cores falam tanto! Uma vez, fui comprar camisas de um time com meu pai! Eram tantas cores! Aquele dia ficou marcado. Eu não sinto tanta falta porque eu carrego ainda isso bem forte no coração e na mente. Um tempo meu é separado para apreciar cores, pessoas, lugares, situações. Mas dá saudade do tempo em que tudo eram visões de glória, tudo era encantamento, tudo era fantasia e imaginação. Quando crescemos, sobra pouco espaço para imaginação. Por isso gosto tanto da literatura: ela é a cor imaginativa da nossa “infância imaginária”! Grato a ti.

      Excluir
  7. Linda postagem, Lucas. Ontem eu estava falando com uma amiga sobre isso. Que saudade eu tenho dessa fase! Onde tudo parecia mais delicado, bonito e fácil. Onde tudo era encantador. Eu concordo com a Bell, nós devemos guardar um pouco de inocência em nossos corações. Guardar essa parte linda da nossa vida. Sorte nossa que podemos recordar momentos assim. Beijinhos estalados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz coincidência, teres falado sobre isto! Esse aspecto de “fácil”, de “possível” também é muito importante. Com uma mera toalha nas costas, um garoto vira um super-homem; com um mero lenço na cabeça, uma garotinha vira princesa! É fácil voar, é possível reinar, tudo é encantador. Também concordei e concordo contigo e com ela, não podemos “asfaltar” esse jardim de sonhos que é o jardim da infância. Não podemos construir um prédio de concreto nas nossas casas de árvores de sonho. E te digo que não apenas recordar momentos assim, mas vive-los, num humor sadio, em poemas que falam de amor, em amores que se parecem poemas. Nossa vida pode ser tão pura como a nossa infância era inocente! Beijinhosssssss estaldosssss

      Excluir
  8. Resumindo: a inocência é o que nunca devíamos perder. A idade e o tempo não deviam ditar o nosso espírito.

    Beijinho *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito de teus tempos do verbo. (nunca) devíamos... (não) deviam... Eis o que mais fundo cala em nossa alma: o pretérito imperfeito (ou, talvez, o futuro do pretérito). Nunca deviam (ou nunca deveriam). Não deviam (ou não deveriam). Esses tempos só indicam que, em algum lugar do pretérito, em algum tempo do passado, algo aconteceu indevidamente. Algo se projetou para o futuro indevidamente. Perdemos a inocência – eis o fato. Era inevitável. Perder a inocência não é mau em si. O conhecimento faz perder-se a inocência, e o conhecimento não é mau. O problema é que se pode perder a inocência sem perder-se a pureza. E a maioria, infelizmente, quando perde a inocência, passa a nutrir-se de pensamentos impuros, negativos, derrotistas. À inocência é impossível voltar. Mas não à pureza. Voltemos! Voltemos a acreditar! Voltemos a nos divertir com cores e amores puros! Voltemos ao nosso melhor! O mundo merece isso de nós! Nós merecemos! Beijinhossssssss

      Excluir
  9. Obrigada por visitar meu blog, faz tempo que não venho aqui, sei lá, nem sei a razão, deve ser falta de inspiração, mas lendo suas mensagens achei tão lindas e também o que escreveu.. Amei..
    Desejo muitas alegrias e felicidaes para você.
    Selia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens razão. Manter um blog não é nada fácil. É preciso inspiração e tempo. Gostei de teu estilo ‘diário’. Agradeço-te as palavras e o tempo que dedicaste à leitura aqui. Volta sempre. Alegrias e felicidades a ti. Beijossssss

      Excluir
  10. A infância e suas cores.. Sabores imortais..
    Coisas que ficam nos registros nobres de nossa história.
    Sempre que posso saboreio texturas e cores com a mesma intensidade.
    Ai ai!
    Bateu saudade.

    O Drink agradece o carinho de sua doce visita.
    Bjok

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cores e sabores! Lembraste-me sorvetes! Conheci, na infância, uma sorveteria com 99 sabores de sorvetes. Passo nela há uns 14, 16 anos. Agora, posso tomar o sabor que deseje, quantos sabores deseje. Mas penso naquela época, em que queria colocar todos na cestinha de biscoito, e só podia colocar um ou dois... Cores e sabores! Chiclete... Tutti-frutti... Cereja... Uva... Abacaxi... Como dizes: bateu saudade. Só que, por mais que eu possa tomar sorvetes agora, só consigo aquele gostinho quando fecho os olhos e entro no túnel do tempo. Então, eu o sinto. E isto é muito,muito belo! É sempre belo estar em teu blogue. Beijokasssssss

      Excluir
  11. Verdade! Quando somos crianças tudo é muito colorido e aquilo que não é de cor viva nos parece sem graça, não atrai. Mas não só com a maturidade, como com as experiências elas criam significados especiais e o que era colorido se descolore.
    beeeeeijoooos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É vero! Lembro-me de alguns anos atrás, na minha adolescência, quando conheci a cor ‘ocre’, mais conhecido como o popular amarelo desbotado. Ô corzinha feinha, feinha de todo, coitadinha! Parece roupa que caiu na água sanitária. Na infância, a gente não perdoa o que não é vivo, efervescente, alegre, dinâmico! Tens toda razão, a maturidade e as experiências dão novos significados às cores. Muitas vidas são enriquecidas com isso! E muitas vidas se tornam ‘ocres’... Eu não quero nunca, pequena, que minha vida se torne ‘ocre’. Nem ‘ocre’, nem medí‘ocre’! Beeeijoooossssss

      Excluir
  12. Bom dia, Lucas! Desculpe-me entrei mais para elogiar a foto q colocaste na entrada de seu blog. Amei! Eu sei q sua intenção é q comentemos sua reflexão.rs. Coçou-me as mãos, quando entro para ler-te dou de cara com a foto. Paisagem encantadora.
    Q vc nunca cresça( rs) , permaneça sempre um menino enxergando coisas boas em tudo...
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha cara, certamente fico feliz com teu comentário sobre a foto. Eu a peguei no blog de uma amiga. E procurei dar uma remodelada geral. Espero que tenhas aprovado. Bem, eu também espero não crescer mais! Já está bom assim. rs Entendi o sentido com que o dissestes. Atendendo a alguns pedidos como o teu, deixarei esse menino sempre vivo. Enxergar o bem sempre faz bem para o coração. Conselho que uma cardiologista (não em consulta, mas numa conversa) chegou a me dar, mas logo se corrigiu: ‘ah! Não precisas’! Beijosssssssss

      Excluir
  13. Como é bonito olhar o mundo com os olhos da inocência... mas a gente cresce e dá outros significados mais complexos às coisas mais simples.
    Belo blog, um abraço!
    Arca de Rabiscos
    Faça parte da Arca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, como é belo! Casemiro de Abreu diz: ‘como são belos os dias do despontar da existência, repira a alma inocência, como perfumes a flor...’ (Meus Oito Anos). Quando cresces, os significados são válidos, alguns até belos, mas não tão belos quanto aqueles primeiros significados inocentes da infância. Tens toda razão. Grato a ti. Abraçossssss

      Excluir
    2. Bah, adoro esse poema que tu citou, inclusive eu tinha ele em uma postagem num blog antigo. Guardo ele nas páginas de alguns livros de Literatura da época do colégio :)

      Excluir
    3. Temos, então, esse gostar muito em comum. Este foi um dos três poemas que tive oportunidade de declamar num sarau. Saudades. Agora, tem me faltado tempo. És a típica estudante com quem qualquer amante de Literatura do mundo gostaria de ter estudado. Muito bom, falar a mesma língua! :))

      Excluir
  14. Bom... muito bom...
    Gostei do seu cantinho, tô ficando. Tem mensagens boas para refletir.
    Abração e linda semana.

    ResponderExcluir
  15. Bom é teres ficado. Agradeço-te sinceramente estes carinhos. Linda semana a ti! Abraçosssssss

    ResponderExcluir

A princípio, responderei a seu comentário, pois considero isso uma parte muito agradável da postagem.