Ganhei de todo mundo na geneiedade.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Engraçadinha. (ou, Primeiro amor!)















Tu eras o meu parzinho em todas as nossas festas...
Tu eras a garota engraçadinha que brincava de dizer que me amava...
Juro-te que por pouco, sabe, por um pouquinho assim... – e eu te acreditava!
Lcc

24 comentários:

  1. Dois engraçadinhos, ela por brincar e você por não acreditar! rs

    Beijãaaaaaaoo *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rs É vero! Cosi è! Noi due. Ela, porque brincou de mentirinha com o que era verdade. Eu, porque, em acreditando que verdade não fosse (nunca desacredites!), não pude ter o que tinha, e ser o que era. rs Beijossssssssss

      Excluir
  2. Tiveste razão. Primeiro amor sempre marca. E o desejo que temos é que o amor seja recíproco, e que, das vezes que esperamos ouvir que somos amados, e isso soa de brincadeira, quando queremos o real... dói. Mas teu caso foi uma história linda. Já tinhas um par. Já podias voar com as duas asas. Já podias, mesmo que de brincadeira, brincar de realidade. Brincar de Realidade de Amar.
    Beijos a ti... Boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas brincadeirinhas de amar são interessante. Um ‘sabe’ que é brincadeira do outro. O outro ‘sabe’ que só pode ser brincadeira do um. Então, um dia, um ‘duvida’ que ‘sabe’ se é brincadeira. Ou os dois ‘duvidam’ ao mesmo tempo. E então, precisam descobrir. E as conversas se tornam engraçadas! 1. ‘Tu gostas de alguém?’ 2. ‘Como assim, se eu gosto?’ 1. ‘Assim: de estares gostando de uma pessoa?’ 2. ‘Acreditas que eu ia perguntar-te isto?’... rsrs Quando nos tornamos ‘adultos’, já não cabem perguntas infantis... Mas que dá uma saudade e uma vontade de perguntar de vez em quando, ah... isso dá! Beijosssssssss Boa noite a ti

      Excluir
  3. Que bonitinho, amor de criança é tão puro tão verdadeiro, tão lindo.

    Um lindo dia pra vc =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A pergunta irresistível que sobressai do que dizes é, então: por que, em matéria de amor, temos que deixar de ser puros, inocentes e verdadeiros como as crianças? As duas respostas imediatas são: por causa da maldade e do medo da maldade. Mas não acredito que tenha de ser assim, em todos os casos. Recuso-me a acreditar. Tem que haver um amor inocente e puro, em algum lugar do mundo. Um lindo dia para ti. =)

      Excluir
  4. Boa tarde Lucas.. quando pequenos nós todos éramos assim.. tinhamos alguém o qual ficavamos sempre juntos.. linda esta fase.. ainda recordo.. e mesmo não sendo bem igual ao que vivi.. escrevi flor de lótus falando desta pureza.. abraços amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo! Vou ler o poema a que te referiste. A bem da clareza, devo dizer que a postagem não é uma criação do fato, é apenas uma criação de uma postagem poética sobre um fato real. Sentávamos juntos para conversar sobre estrelas. A fase é demasiado bela, concordo plenamente contigo! Contudo, creio que um relacionamento verdadeiro pode (e deve!) conter a pureza de duas crianças como essência e inspiração. Abraçosssssssss

      Excluir
  5. Oi Lucas!
    Todo mundo tem um primeiro amor nessa vida, né. Aquele amor ainda inocente, ainda formando as primeiras bases da árdua e maravilhosa tarefa que é amar alguém :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que sim, que a maioria das pessoas tem. É ele que traz à alma o momento da descoberta desse sentimento. Follia! Achei deveras interessante a expressão ‘árdua e maravilhosa tarefa’. Que três palavras interessantes! E que combinação! Que mil professores, que mil chefes nos passassem essa 'árdua e maravilhosa tarefa' como lição ou trabalho de casa... – todos os dias! :)

      Excluir
  6. Bom demais te ler... Sempre!
    Você me transmite um doçura rara.
    Tuas palavras me fazem viajar. Uma viajem mais gostosa que a outra.

    Beijão, Lucas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Considerados os teus extremamente belos poemas, que mostram bem a todos o quanto conheces de beleza em literatura, de repente me deixaste envaidecido. A generosidade e o carinho com que escreveste só acrescentam admiração à que já guardo. Tu sabes, um moço do interior que quase não viaja tem como única estrada o ‘papel’. Quão belo é que te sentes ao meu lado, e viajes as viagens que viajo. Beijossssssssss pequena

      Excluir
  7. Saudade foi o que você me trouxe com esse texto. Saudade desse amor "puro" e quase incondicional; de uma época em que ele - amor - tinha gosto de esperança, mas sem a "neurose" das expectativas. Saudade, enfim, daquele sentimento destemido e da menininha que o expressava livremente, sem receios, sem amarras. Ela amava e isso bastava!

    Lindo texto, como sempre, Lucas! E, em tempo, a escolha da imagem ilustrativa não poderia ter sido melhor. Combinação perfeita!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que saudade é a pedra de toque, sim! Deveras, há um amor puro, quando um homem e uma mulher se propõem a isso. Não ouso pensar que ele se restrinja à infância. Mas é lá, decerto, que o amor é por excelência puro. Sem neuroses, sem amarras, com gostinho de esperança, como tão poética e verdadeiramente disseste. Nem te conto, mas conto! rs A imagem a ser colocada era outra, a meu ver mais representativa do texto. Mas, de última hora, o abraço e a flor falaram mais forte. rs Beijossssssss

      Excluir
  8. Boa tarde, Lucas! Sempre com lembranças boas.
    (...) No murmurar dos ventos,
    ouvirei a tua poesia
    No longo abraço da saudade,
    partirei ao teu encontro.
    Bruno de Paula. ( só pra descontrair)...rs.
    Q vc seja sempre feliz! bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembranças boas são belas! rs Que belíssimo trecho de poema colocaste! Deveras, belo! E com quão belo desejo me presenteias. São dois belos presentes. Sou-te muito grato. De fato, tenho sido em extremo feliz, pois o significado da vida e a serenidade certamente induzem a isto. Mas este ‘sempre’ que me desejas é o maior dos sonhos dos seres humanos. Não posso desejar-te, nunca, nada menor que o dobro disto. Sejas sempre em dobro feliz: em sê-lo e em sabê-lo. Bjussssssssss

      Excluir
  9. Oi Lucas!

    Melhor é pensar que o "eu te amo" significava carinho e brincadeira.

    Lembrei de um poeminha que escrevi há um tempinho atrás:

    Amor de um metro e vinte

    'Mandei cartinha
    Um coração
    E palavras coloridas
    À canetinha.

    Foram sete linhas
    Nunca escrevi tanto assim
    Tá vendo, é só pra você.

    Mandei te entregar
    E saí de fininho
    Pra você não me ver

    Vai que recebo resposta...
    Meu lápis tá apontado
    Pra eu assinalar bem feliz
    O quadradinho do "sim"
    "Quer namorar comigo?"

    E se eu ficar sabendo
    Que você não sorriu
    Fico de mal
    E nem o mindinho
    Vai adiantar.
    Pode me dar tchau
    Que eu não vou nem chorar.'

    hehe :D

    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Soubera eu que comentarias com um poema de tal forma encantador e havia de propor-te antecipadamente a troca. Postava teu poema e comentava com minha frase! Encantei-me, definitivamente, desse ‘Amor de um metro e vinte’. Terás escrito a quarenta e oito centímetros atrás? Ou é recente? Muito, muito belo. Dizes que é melhor pensar que o ‘eu te amo’ significava carinho e brincadeira. Não sabes o quanto as crianças amam a sério, na maior parte das vezes que brincam? rs Ah, mas sabes! É justo como está no teu poema! Um dia quero escrever poemas como tu ou como gente grande! Beijossssssssss

      Excluir
  10. Respostas
    1. O amor puro e a sensação de felicidade plena são o estado mais gratificante em que pode se encontrar a alma humana nesta terra. Abraçossssssss

      Excluir
  11. Me lembrou o meu primeiro amor, rs. Quando eu tinha sete anos, era apaixonada pelo irmão da minha melhor amiga, que tinha a mesma idade que eu. Era uma coisa fofa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E não é que lembrou-me também o meu! rs Também eu tinha sete anos, e também me apaixonei 'por toda a vida' pela irmã do melhor amigo. Ela tinha seis anos. Isabela, Belinha. Linda como todos os esplendores de todas as auroras boreais da terra. rs Beijossssssssss

      Excluir
  12. Que fofa colocação! Ilustrou com imagem de crianças, mas vale para relações mais adultas (rss).
    Cheguei através da Chica, que publicou palavras suas, indicando o blog. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico grandemente feliz com tua presença aqui. E não tenho palavras para agradecer à Chica, que tão carinhosamente me apresentou tanta gente tão bela que me tem visitado. Sim, a frase vale, vale muito para as relações adultas – pois o adulto é belo quando se faz criança na medida certa, valorizando inocência, sinceridade, profundidade de sentimento... Espero muito que voltes! Abraçossssss

      Excluir

A princípio, responderei a seu comentário, pois considero isso uma parte muito agradável da postagem.