Ganhei de todo mundo na geneiedade.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Extremos.














Extremos são extremamente perigosos!
Lcc

22 comentários:

  1. Oi Lucas

    só de olhar a imagem deu um frio na barriga, mas tem muita gente que anda no meio fio da vida simplesmente pelo prazer e pela adrenalina do perigo.

    Um lindo dia pra vc =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acreditas que tentei saber se haveria mesmo um lugar assim? Não para andar de bicicleta, mas para caminhar, sentar, observar, conversar. Tens razão, muita gente anda no meio-fio porque ama mais a aventura, o prazer, a emoção de um momento que a própria vida. Os extremos, tanto este de aventura, quanto o extremo da imobilidade e monotonia, são, a seu modo, perigosos. Um, porque pode ceifar a vida, bem mais precioso. Outro, porque pode-se passar pela vida e não viver. Beijossssssssss

      Excluir
  2. Lembrei-me de Morretes-PR, lindo por demais. Dentro do trem não da medo, mas assim....ai! ai! ai! Nem pensar...rs. bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morretes deve ser uma coisa bela demais, daí! Não ponhas doce na boca de um interiorano que nunca viaja! Só de imaginar a grandiosidade dos cânions, os trilhos quase suspensos no ar! Mas, tens razão, assim de bicicleta é extremo muito extremo! Ainda mais se entra uma mosca ou mariposa no capacete, ou ameaça entrar no nariz... Beijosssssssssss

      Excluir
  3. Eu diria que extremos causam desassossego e a questão do perigo é o que torna tudo mais interessante... ninguém gosta do óbvio, ninguém alucina pelo ''normal''. As vezes são os extremos que mais estremecem a gente! rsrsrs

    Beijoos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exterus é a palavra latina para ‘o que está fora’. Quando lhe acrescemos o sufixo imus, a palavra passa ao seu superlativo. Assim, extre-mus, extremo, é o que está mais para fora, trazendo a ideia, em algumas Ciências, de longe demais. Extremo é o que as pessoas fazem nos rachas, a 200, 250 km por hora numa rua do centro da cidade; é brincar de roleta russa com projétil real, é ser missionário cristão num país de islamismo radical... Não penso que tu faças isso. rs Muitas pessoas gostam de coisas ‘elétricas’, de agito. E isto é ‘fora do eixo’, é ‘adrenalina’, é ‘legal’, mas não é extremo. Lido com muitos extremos. Conversei com um rapaz tomado de crack apontando um revolver carregado para minha cabeça. Bastava uma palavra errada... Acho que eu não a disse... rsrs Hoje ele é ‘normal’. Tens razão! Ninguém alucina pelo ‘normal’. Beijossssssssss

      Excluir
  4. É verdade mesmo! Todo cuidado é pouco com eles...abraços, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vero! Se puderes evitar, perfeito. Se não puderes, todo cuidado e mais um pouco ainda é pouco. rs Belo final de semana a ti! Abraçossssssss

      Excluir
  5. Ôh, nem fala, Lucas!

    Sendo a Vida uma experiência que pede o equilíbrio, só quem vive nesses extremos sabe o quão perigosos eles são. A adrenalina é gostosa, mas pode ser fatal também! :)

    Ótimo ver que estás voltando! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que eu e tu gostamos dessas palavras mágicas. Equilíbrio. Centro. Basta que olhes o perfil que deixei poucas postagens atrás, e verás que gosto de coisas que envolvem adrenalina, emoção, aventura. Mas as extremas são irresponsáveis. Bem, agora eu posso rir disso: um sujeito vinha com a moto na minha frente, numa rua, fazendo piruetas, empinando, andando em uma só roda... De repente, ele perdeu o equilíbrio e, literalmente, se estabacou! rs Tive que parar o carro, ajuda-lo. Ele não queria, queria subir na moto e sumir! Quando todos viram que ele só tinha machucado o orgulho, todos gargalharam, inclusive eu. rsrsr Beijossssssssssss

      Excluir
  6. Depois de um longo tempo, estou de volta com o meu blog. E feliz de reencontrar o seu blog. Contudo, o Bordando sentiu a sua falta, já que esqueceste o caminho de lá, risos...
    Tu tens pura razão, Lucas. As extremidades não são sábias, pois é preciso saber ponderar e equilibrar a razão. Beijinhos estalados...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é vero, por um bom tempo limitaste tuas postagens e tuas visitas aos blogues. Explicaste que estavas bastante ocupada. Foi nesse período que precisei (como ainda tenho precisado) limitar minhas postagens e visitas. Então, o tempo (ou a falta dele) trabalhou seriamente para não nos encontrarmos aqui ou lá. O que lamento muito, porque fazes falta. Contudo, deixo um protesto muito sério: esqueci o caminho?! como assim? como esquecer o que não pode ser esquecido??? rs
      Concordo contigo. Extremidades devem restringir-se ao desespero, à estrita falta de opções. No mais, ponderar e equilibrar é sempre o caminho mais doce. Beijinhossssssss estaladosssssss

      Excluir
    2. Foi uma maneira de chamar atenção. Pelo visto a minha meta deu certo, risos. Obrigada pelo carinho. Estava com saudade de visitá-lo. Beijinhos.

      Excluir
    3. Meu primo diria, sorrindo, com aquele sotaque do interiorrrr ‘e como não houvera de dar certo’? Percebo nos escritos que estás muito inspirada. Aí, as mãos ficam quentes. E isso é bom. Deveras! Beijinhossssss

      Excluir
    4. Verdade! Essa pausa me fez muito bem. Beijinhos.

      Excluir
    5. Tanto melhor para quem gosta de tudo que escreves! Beijinhossssssss

      Excluir
  7. Sim, extremos são extremamente perigosos... eu ainda não havia pensado assim, até que li sua frase, que me fez refletir e perceber que dissestes uma grande verdade... eu tenho problemas com extremos: ou estou "so high" ou "so down"; ou estou no pico ou num buraco fundo; ou estou na vertente direita ou esquerda. Mas sei que o equilíbrio é essencial, e é isso o que venho tentando encontrar. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vejo que o que ‘sabes’ está ligeiramente diverso do que ‘estás’. rs Penso que, deveras, todos nós temos alguma ‘fuga’ do que sabemos ser o correto. Contudo, o mais importante, como bem disseste, e não deixar de tentar encontrar o equilíbrio. Porque o perigo é real e imediato! rs Beijosssssssss

      Excluir
  8. Hehehe, e não é que é verdade?
    Melhor usar de moderação e bom senso em tudo, senão a queda pode ser grande demais.
    Abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rs O problema maior da queda ser grande demais é que não permanecemos em queda! Uma hora, chega o chão! rsrsr Abraçosssssss

      Excluir
  9. Extremos... A linha tênue entre o sim e o não, entre o tudo e o nada. Enfrentar os/nossos extremos pode quebrar barreiras.
    Beijos, moço!

    ResponderExcluir

A princípio, responderei a seu comentário, pois considero isso uma parte muito agradável da postagem.