Ganhei de todo mundo na geneiedade.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Acho...













Quando eu tinha dez anos, uma menininha de nove me disse que achava estar gostando de mim. Eu 'ensinei' a ela assim: 'nunca diga que acha uma coisa até ter certeza de que você acha'! Três dias depois - ela estava de tranças no cabelo e era a coisa mais bela que eu vi na vida - ela me disse: 'Eu acho que eu tenho certeza do que eu acho'! Desisti de ensinar... Foi o meu primeiro beijo! Namorei com ela dos dez aos catorze anos. Eu acho que a amava...
Lcc

40 comentários:

  1. A pureza, a descoberta. Tenho certeza que achei o que nos trouxe lindo. Um abraço Lucas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. È perfetto! Penso que nada na vida é mais doce e encanta mais o coração que a pureza! Nada mais suave sobre a alma que a descoberta! Le tue parole sono perfetti! E a poesia como manifestaste tua certeza é muito bela e graciosa. Gratíssimo. Abraçossssssss

      Excluir
  2. Que amor! Lindo amor esse! Adorei ler! abração,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é belo, belíssimo amar em inocência. Quanto ainda restará de inocência em nossos dias? Foi grande e belo! Gratíssimo! Abraçossssssss

      Excluir
  3. Bom dia Lucas.. muito belo isso..
    muitas pessoas ficam no eu acho e nunca encontram uma certeza em nada do que buscam.. abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigão. É bem verdade o que disseste. Achar é um momento muito vago em nossas vidas. A certeza é o momento mais propício. Contudo, no amor inocente, ‘achar’ é a forma mais bela e mais tímida de dizer ‘amo-te muito’. Ela o amava muito e o namoradinho dela a ela também, apesar dos seus tímidos ‘achos’... Abraçosssssssss

      Excluir
  4. Que lindo, essas coisas marcam a vida...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Che bello questo verbo! Que belo o verbo ‘marcar’! Deveras, quando usado neste sentido tão profundo de fixar a existência em pontos inesquecíveis, ele é belo! Que tu, então, imagines, com toda a família dos dois desconhecendo, e os tios se encontrando sempre na casa da nona!... Belo, belo, belo. Bjokasssssssss

      Excluir
  5. Oi! Vi um comentário seu lá no blog e busquei saber de quem eram tão encantadoras palavras, cheguei aqui e descobri um ser com pensamentos e sentimentos mais lindos ainda! Gostei muito de conhecer o seu blog, tenha a certeza de que ganhou mais uma leitora assídua. Abraços
    Um

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratíssimo! O comentário em teu blogue não fez mais que reflectir a beleza do texto e da imagem, deveras belos. Juntam-se em teu blogue a fé pura, delicadeza e belíssimas postagens. Trocamos assiduidade, então, eu e tu? rs De minha parte, também, sim. Abraçossssssssss

      Excluir
  6. Que história hein. Se todos desistissem assim, rs.
    E depois desses anos houve um reencontro ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. È vero! Como diria uma fala de um programa educativo: senta que lá vem história! rs Mas, não houve desistência! Houve impossibilidade. Dir-te-ia, a única das impossibilidades que é deveras impossível. Não houve reencontro, senão nas poesias guardadas de uma menina poetisa extremamente talentosa para um garoto que não se interessava tanto pela arte da escrita. É isso que torna a vida tão bela, não é? rs Abraçossssssss

      Excluir
  7. Olá, recebi seu comentário no meu blog DOCEESECRETO. Não havia recebido nenhum aviso sobre isso. Fiz algumas alterações no layout, espero que agora dê para ler. Obrigada !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! Seus textos são muito belos e eu já havia entrado lá para 'adivinhar' as palavras que não se conseguia ler. Valeria muito a pena! rs Mas agora sim, todos poderão ler e admirar teus belos textos! Abraçossssssss

      Excluir
  8. Bom dia querido!
    Ah que post lindo,
    fiquei com um sorriso no rosto, encantada!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! O momento foi realmente muito belo, uma daquelas coisas que marcam fortemente a vida! Sentimentos verdadeiros trazem encantamento, e essa é uma das coisas mais belas da vida! Abraçossssssss

      Excluir
  9. E eu que tenho mania de dizer "acho", afirmo agora sem dúvida alguma: tenho certeza que esse é um dos posts mais lindos que já li, moço!!! Você não cansa de encantar, não? rs

    Parabéns!!! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Do seu comentário sobre o texto: Achas que tens certeza disso??? rs
      Do seu comentário sobre mim: Quem dera! Deveras, isso seria belo! rs
      Quanto à tua mania de ‘achóloga’, a um interessante programa no SBT, ao qual eu não assisto por motivos óbvios, em que uma psicóloga diz 300 ‘achos’ quando emite sua opinião. Aquilo é muito engraçadinho... rsrs Para tu veres que o mal está disseminado! Beijosssssss

      Excluir
  10. Respostas
    1. Novamente respondo: quem me dera! Como vês, fui mero coadjuvante dessa história tão bela. E, em sendo, não fiz mais que registrar o que era belo em si, como aqueles cabelos trançados e aqueles olhos castanhos... rs Beijosssssssss

      Excluir
  11. oiii.. que texto louco.. e muito realista. Adorei... Amo seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deveras! Louco mesmo! Mas, então, como a seguir dissestes ‘realista’, quebraste-me a resposta, porque eu diria: louco e quase totalmente irreal. Mas, se tu queres louco e realista, aqui o leitor sempre tem razão! rs Ainda mais tu, que és tão criativa e genial! Também gosto deveras do teu. Beijossssssss

      Excluir
  12. É um "achar" inocente que denuncia pelos olhos o que verdadeiramente sente. Tenho certeza que descobriste o que havia através dos olhos dela: o amor para ti, e nos teus, o amor para ela... Inocência e pureza se integram perfeitamente como características do amor. Que felizes devem ter sido você e a Dora (vi ali no pingente, rs.). Sempre vejo o amor assim, inocente e de pureza sem igual... quem nos dera um amor tão puro quanto um amor inocente nos dias de hoje entre os humanos, mas, tenho esperanças de que existam, sim. Decerto que há muito de ti em tuas publicações, comentários e tuas respostas. Também alguém engraçado quando comentava de modo cômico nos blogs. Não sei como conseguias! rs
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens razão. O ‘achar’ das crianças e dos que amam é inocente, puro, transparente! E como é belo descobrir, nos olhos ou no timbre da voz que muda completamente, quando se fala com quem se ama... Fomos muito felizes, e ela se chamava Isadora; era uma pessoa indescritível; era muito bela... Os nomes no pingente são apenas uma homenagem que acresci e reparaste muito bem, rs.
      Concordo contigo, eu não vejo amor que não seja puro. Conheces óleo Maria? Com todo respeito à marca, é um óleo que misturam com azeite e dizem que é azeite. É óleo misturado. Muitos relacionamentos têm muito de tudo, interesse, sexo, curtida, variedade, ‘pegação’, competição, irresponsabilidade – e são chamados de amor. Balela. Óleo misturado. O amor se incomoda pelo outro, confia, fideliza, edifica, cobre, permanece, vence, ampara, cuida, frutifica...
      Qualquer pessoa se descreve em seus escritos. Tem muito de mim aqui e no meu e-mail (embora eu corresponda com duas pessoas).
      O ‘Lucas’ das primeiras publicações era impagável, eu gostava demais daquilo! Este aqui e aquele lá são dois extremos! rsrsr O Luc está no meio disso! rsrsr Fui convidado a entrar num blogue de amigos daquele jeito. Não tenho tempo! Mas estou pensando... rsrsr Beijossssssss

      Excluir
  13. Que bonito! Um "acho" pode mudar muita coisa, devemos poder dizer aquilo que pensamos mesmo estando inseguros. O "acho" da menina foi uma forma de dizer um "eu gosto de ti" mais directo. Gostei muito do post :)
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. È vero! Principalmente se o 'acho' esconde atrás de si uma timidez de quem na verdade diz: 'não sei como dizer-te, mas sei que te gosto!' Do alto de todo o meu auto-controle precoce, dizer: 'tens certeza do que achas?' significava: 'sei que te gosto, e que bom saber o que sentes! podes dize-lo de novo?' Amores infantis... Que belos! Grato a ti! Beijossssssss

      Excluir
  14. Nessas idades ainda em formação tudo é descoberta.

    O tempo vem dar uma ajuda a saber quem realmente somos e do que gostamos.

    Linda e inocente partilha.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! São idades de sonhos, descobertas, experiências, a associação dos sentidos com o coração!... É vero! Estás coberta de razão. O tempo orienta nossas sensibilidades nascentes. E quando nos tornamos tão ‘donos’ de tudo, tão ‘experientes’, queríamos mesmo voltar à inexperiência, e sentir o inefável novamente! Beijinhossssss

      Excluir
  15. Lindo..!
    Beijinhos

    http://princesamae.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  16. Das coisas do coração, quase nunca temos certeza. O sentir é algo muito fino. E o inexplicável, muitas vezes, é o que encanta.
    Lindo, Lucas!

    Beijoo'o :**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para dizer que temos certeza, precisaríamos saber tudo de nós e tudo do que é certeza. Tudo de nós, nós mesmos jamais saberemos; e tudo do que é certeza, depende do tudo que sabemos de nós... Gostei tanto de tuas palavras! O inexplicável, muitas vezes, é justamente o que encanta! Verdade! Quando um sentimento alcança a categoria do que é melhor, concomitantemente alcançou a condição de inefável. Beijossssssss

      Excluir
  17. Amores infantis são tão lindos, pela pureza contida, como uma brincadeira de faz de conta que a gente acha que é real rs.
    Belas palavras.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a ‘pureza contida’, ou o ‘estado de pureza e inocência’ é o bem maior da alma humana. Quantas vezes lamentei ter aprendido o desnecessário para minha alma, que a envenena e diminui de sua altivez! Tens razão. Quando viver é brincar, e brincar é viver, e sentir é brincar de viver, quando o real e o sonho se casam em inocência... – o nome disso é auge da felicidade. Belas as tuas palavras! Beijossssssss

      Excluir
  18. Quase sempre eu nunca tenho exatidão/certeza do que sinto. Não sei é se amor ou paixão! rs
    E nem me lembro de algum amor infantil que tive, memória péssima a minha. rs

    Gostei daqui!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tuas sinceras palavras me deixaram sorrindo! Então, tu ‘achas que achas’ o tempo todo?! rsrs Não padeces de um mal exclusivo, se não sabes discernir amor de paixão. Poucos o sabem. A grande questão é que, de todos esses que não sabem, a quase totalidade é mesmo paixão. Que terá prejudicado tanto tua memória, que não te lembres de ter amado na infância?! rs Porque, certamente, terás amado alguém, ou ao menos querido de uma forma especial. rs Bom demais que tenhas gostado! Tu és bem vinda. Beijossssssss

      Excluir
  19. Respostas
    1. Deveras, tens razão! No amor há uma quantidade tão grande de doçura! No entanto, distribui-se tão bem por todos os segundos de nosso dia, que não nos enfada nunca, amar! Beijossssssss

      Excluir

A princípio, responderei a seu comentário, pois considero isso uma parte muito agradável da postagem.