Ganhei de todo mundo na geneiedade.

sábado, 5 de setembro de 2015

Inocentes...








Todos nós morremos um pouco quando um inocente morre...
E todos nós nos perguntamos se cada um de nós não poderia viver só mais um pouquinho de nosso esforço para que eles vivessem!...
Ll/Lcc

20 comentários:

  1. Lindas tuas palavras e tão triste fato e situação! abraços, chica, lindo feriadão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste demais o fato de que as crianças sejam, em nosso mundo de homens e sociedades absurdas, tão vilipendiados, tão agredidos, tão desvirtuados, tão usados e abusados, e tão expostos à dor e à morte. São religiões de terror, são milhões de abortos no país mais rico do mundo, são exposições da inocência absurdos nesse país de presidente absurda e homens absurdos. Precisamos e podemos fazer algumas coisas para ajuda-los. Abraçosssssss

      Excluir
  2. Alguém já disse que a dor existe porque os maus são audaciosos, enquanto os bons ainda são tímidos! Meu desejo ao ver notícias como as da foto que ilusatra seu post é que os primeiros aprendam a direcionar tal audácia para a prática do amor, e que os segundos deixem a timidez e passem a expressar todo o bem que já trazem no coração. Penso que só assim não veríamos mais fatos como esse acontecerem...

    Beijoo, Lucas! Feliz Semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens razão. Contudo, o que não temos é tempo para esperar que os maus descubram o amor e se tornem 'bons' (ou meramente cumpridores da justiça). Três fundamentos deixam o mundo como está: 1. O abandono de todos os padrões morais em favor de uma devassidão como nem em Sodoma existia. Com palavras bonitas para classificar sua devassidão, a sociedade transformou a civilização numa latrina. 2. A figura do corrompido, essa corja que se vende para toda a espécie de crime, desde que possa auferir lucro. O corrompido deveria sofrer penas severíssimas. 3. A barbárie generalizada, de menores assassinos (que recebem status de vítimas da sociedade enquanto assassinam pais de família) até Estado Islâmico, que envergonha toda a civilização do século 21. Não dá para esperar que essas três raízes podres se transformem. O único jeito é deixar de conversa enfrenta-las corajosamente. Senão, a civilização será destruída, inapelavelmente. Beijossssssss

      Excluir
  3. Se pudéssemos ter noção do número de inocentes mortos durante a História talvez alguns de nós até entrava em questionamento com o inquestionável. Mas fazer perguntas metafísicas em meio a casos assim talvez não resolva nada, já que os maus desse mundo parecem ter mais "poder" do que os bons e a "evolução" do pensamento humano ocorre de maneira decrescente. Acontece que o que é mal vem sendo a cada dia mais e mais aceitável, muitas vezes sendo tachados de "bom" e "natural". Sinceramente, tenho medo do hoje, do que existe e do que estará por vir. Gostei muito do teu texto à resposta ao comentário da Malu. Será que ainda somos uma minoria que defende os bons costumes ou ficamos aos escanteios sem ao menos ter direito à voz?
    É bem verdade a tua afirmação "Todos nós morremos um pouco quando um inocente morre...". Se morremos um pouco pela morte de um inocente temos ainda a essência de inocência que nenhuma morte pode levar. A vida com suas interpretações distorcidas é que leva isso...

    Belíssimo teu texto! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que percebeste que teu comentário se encaixou na visão dos três males que estão sobre o mundo: as violências se multiplicam por causa dos devassos e dos que se vendem. Não há como ter sequer noção do número de inocentes mortos na nossa geração, quanto mais na História. Nos Estados Unidos, símbolo e ideal da civilização ocidental, milhões de abortos são feitos por mulheres que, em sua maioria absoluta estão apenas se livrando de uma consequência indesejável. Os laboratórios americanos amam isso, porque assim têm os corpos que precisam para suas experiências. E as 'mães' que abortam cedem tais 'corpos'. Depois os americanos querem invadir países para 'libertar' os cidadãos dali da opressão... (E, por acaso, farão isso usando as armas de sua poderosa indústria bélica). Se o principal país do mundo faz isso, que esperança há nessa sociedade devassa, que chama sexo promíscuo de amor? Mas há muito que se possa fazer, sim. E o pouco que pudermos fazer deve ser feito. Excelente o teu comentário! Beijossssssss

      Excluir
  4. É muito triste tudo isso.
    Dói e aperta o coração.
    Os inocentes estão por todos os lados, nas ruas, nos hospitais, nos orfanatos, nos asilos...
    Vivem a buscar um gesto de compaixão e afeto daqueles que passam e nem os notam.
    Estou fazendo um trabalho voluntário cuja as principais causas são a doação de sangue e o cadastramento de doadores de medula óssea. Nosso trabalho é de formiguinha, mas estamos colhendo bons resultados.
    Cada vez que eu volto de uma palestra ou de uma campanha, fico com a sensação de que se cada um fizesse um pouquinho pelas tantas causas que existem, o mundo seria muito melhor.
    O que falta é um impulso para dar início a revolução dentro de cada um de nós. Para que possamos olhar o problema do próximo como um problema nosso, já que sempre podemos ajudar de alguma maneira.
    Seja com comida, dinheiro, apoio, uma palavra ou um abraço.
    Sempre há o que fazer.

    "O amor é a única revolução verdadeira.".

    Beijão e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deveras, tens razão, é muito triste! As crianças vivem dias de terror. No sul da Bahia, perto de uma cidade importante, há um posto em que as 'mulheres' que se oferecem à noite são meninas de 12 a 14 anos. Os valores são um, três e cinco reais, proporcionalmente...
      Em Pernambuco, logo que se passa a divisa com Alagoas, no posto de fiscalização, são os próprios pais que mandam as filhas ficar. No Rio e no Paraná, crianças são vendidas, aparentemente para adoção ilegal, mas boa parte delas é para tráfico de órgãos!! Em bom número de países da África Central, meninas são mutiladas sexualmente pela própria mãe, ainda bebês... Há um massacre mundial! Fazendo compras na semana passada eu vi, à saída, cinco crianças. Elas estavam pegando arroz azedo no lixo para comer. Tinham pedido esmola o dia inteiro e estavam com fome! O dinheiro que conseguiram era para os pais beberem! Fiz um cesta básica, coloquei-os no carro, parei mum Mac e lanchamos. Depois eu os deixei em casa. Tinhas que ver a expressão de nojo das pessoas no Mac...
      Teu trabalho é belo demais! Que tu sejas muito feliz e abençoada. Orgulha-me ser teu amigo, moça belíssima!
      Continuemos a luta.
      Beijossssssss

      Excluir
  5. Perfeita reflexão!!
    Quando olho para essa foto, eu vejo meu irmãozinho de 3 nos, e esse garotinho era irmão de alguém. Existem pessoas que por uma questão de lugar não somos nós, inocentes que sofrem, enquanto os outros fecham os olhos. Um dia desses eu estava em uma sorveteria com minha irmã, e havia um garotinho na porta olhando, chamei ele pra dentro e peguntei o que ele queria que eu iria dar, ele quis um picolé, e eu falei pra ele escolher, na hora a dona do estabelecimento falou "é melhor você escolher se não ele vai no mais caro", eu só sorri e disse "não tem problema", depois eu comentei com minha irmã "mais caro quanto? Não é mais caro que o sorriso que ele me deu!". O mesmo eu digo das minhas manhãs de sábado vestida de palhaço no hospital da universidade, já fui questionada várias vezes por pessoas que "não têm esse ânimo pra levantar cedo no sábado, afinal depois de uma semana cansativa, poderia dormir até mais tarde". A dor e a angustia de quem está lá não dorme até tarde, levar um pouco de alegria não têm valor. Mesmo que o que a gente faz é tão pouco perto do mal do mundo, faz a diferença na vida de alguém.
    O mundo precisa é que a gente deixe de ser "eu" pra ser "nós".
    Um abraço terno!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É vero! Há sempre algo que pode ser feito! É extraordinário o que fazes e fizeste. Fiquei muito tocado. Nós nos conhecemos de blogue, de postagens literárias, e, de repente, nossa vida é muito mais rica que nossos textos possam dar a supor. As manhãs de sábado são muito especiais para ti, para esse grupo em que trabalhas e principalmente para as crianças. Imagino a dor de teu coração em alguns casos... Mas tu és ao menos o alento humano de algumas, e és a a cura de muitas outras, e certamente a alegria de todas! Que tu estejas entre as pessoas de mais abençoadas do mundo!
      Deveras, o que temos feito é pouco diante de tanta maldade!... Mas é uma esperança para o mundo! Quem sabe se mais e mais pessoas possam despertar para fazer o seu pouquinho?!
      Não é?... rssrsr
      Abraçosssssss ternosssssss

      Excluir
  6. Lucas,
    os corações sentem,
    mas sentem breve demais.

    Todos estão naquele menininho,
    à mercê de um sistema que desconsidera o ser humano
    comum, nós todos, que não estamos no seleto grupo
    dos escolhidos.

    Linda sua reflexão.

    Obrigada pelas palavras gentis no blog.

    Beijos

    Be

    *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens toda razão! Infelizmente, nossos corações sentem fortemente tragédias assim, mas o turbilhão da vida acaba por sufocar nosso sentimento. É uma pena! Não deve ser assim. Comovermo-nos deve gerar ações, e não apenas sentimentos.
      Também estás certa, penso eu, em que alguns melhor posicionados financeira e socialmente, não passam por tantas tragédias. Mas a vida humana é de tal forms frágil, que todos, não importa a condição, passam por dores terríveis. Compete a cada um de nós transformar sua dor em razão de: aprender a viver; compreender a dor dos outros; tudo fazer para a felicidade de um maior número possível de pessoas, no que fará imensamente feliz a si mesmo!
      O importante é que essa disposição lateje dentro de cada um de nós, especialmente pelas crianças!
      Beijossssssss

      Excluir
  7. Olá Lucas. Nossas crianças vivem um tempo de muito sofrimento. Eu sou professora e me deparo às vezes com esta triste realidade. Presencio em seus olhares tristeza, sofrimento e angústia causados pela falta de amor...um grande abraço. Obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu diria que é um tempo de abandono, cada um a si mesmo, cada um por si mesmo. A maioria absoluta dos pais não se dá às implicações de criar, largam no mundo e chamam a isso de liberdade. Qual nada! Em Jundiaí o nome disso sempre foi incompetência. Então, entregues a si, as crianças entram cedo demais para a competitividade, para o conhecimento cru das realidades da vida e do mundo, para decisões sem o menor preparo. Sim, é falta de amor, de ensino, de acompanhamento. Penso que, na verdade, tu tens mais que sido professora. Tens sido, muitas vezes, os pais que alguns deles não têm. A beleza ímpar do teu trabalho é que fazes isso sem o justo reconhecimento. Teu trabalho é extremamente honroso!
      Minha admiração e meu respeito por quem és!
      Abraçosssssss

      Excluir
  8. Lucas,
    esse seu dom de fazer a pessoa se sentir especial,
    é um propulsor de felicidades,

    quando te referes a mim, como uma poeta,
    eu fico sem ar e penso,

    _ que alegria!, que alegria!

    especialmente porque trata-se da SUA opinião,
    a quem admiro e respeito.

    Obrigada por sua vizinhança acalorada.

    Beijos

    Be


    *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se tivesse que haver um dom, seria antes o de conseguir fazer alguém ver-se, confirmar-se ou descobrir-se no que já é. Mas nesse dom eu me presumo, sem antes pensar que a verdade é que sou extremamente abençoado de ser cercado de pessoas que fazem diferença. Porque, se não fizessem, que poderia eu dizer?
      Tu és a poetisa dos versos curtíssimos, dos versos-palavras. Gostaria muitíssimo de ainda fazer um só poema como os tantos que escreves.
      Sabe duas coisas sobre respeito: 1. Ele é absolutamente recíproco; 2. Isso me deixa muito feliz!
      Beijossssssss

      Excluir
  9. Triste né Lucas.
    A humanidade pede socorro, o ser humano cada vez mais egocentrico e se limitando.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deveras triste. Onde não se mata a criança inocente, mata-se a inocência da criança. Se há uma humanidade que peça socorro, é a humanidade de quem ainda não se encheu das maldades comuns ao nosso século, é a humanidade das crianças.
      O egocentrismo é, de fato, o mal do século. E tens plena razão quando colocas num mesmo pensamento o egocentrismo e a limitação, porque o egocentrismo não faz nada melhor que limitar todos os sentidos e raciocínios do ser humano. Temos necessidade urgente de despertar para a vida.
      Mas a luta prossegue! Cada um dos que ainda sentem a humanidade, também ainda é uma ilha de esperança de um mundo melhor. Beijosssssssss

      Excluir
  10. É sempre importante perguntar qual a nossa culpa? O que poderíamos ter feito? Talvez se exercitarmos mais isso o mundo seria bem melhor.
    Ótima reflexão
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É vero! É vero! Qual a nossa responsabilidade (ou mesmo culpa) no contexto geral?! Conquanto façamos boas coisas, quais coisas poderíamos fazer qie ainda não estamos fazendo?! É neste sentido que vai o texto - se nós morremos na morte deles, porque não vivemos um pouquinho mais fazendo coisas que os façam viver?!
      Deveras, o mundo seria muito melhor! E nós mesmos, ao dar nosso melhor, encontraríamos uma felicidade e uma realização muito maiores no nosso dia a dia.
      Beijosssssssss pequena

      Excluir

A princípio, responderei a seu comentário, pois considero isso uma parte muito agradável da postagem.