Ganhei de todo mundo na geneiedade.

terça-feira, 15 de março de 2016

O trem.














O trem da história 

22 comentários:

  1. Este post deixou-me a pensar. Tenho sido um passageiro sentindo-me clandestina nesta vida, mas não sei se consigo ser até ao fim. É que estou cansada da viagem...muito cansada. Um abraço com carinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ambas as condições se traduzem em cansaço. Conduzir-se ou deixar-se levar. Contudo, são cansaços diferentes. O primeiro é físico; o segundo, psicológico. Ambos tem grande peso. Não há como considerar um deles maior. Contudo, a diferença maior está no resultado. O cansaço de nos conduzirmos na vida é o cansaço de quem está cheio de frutos, de momentos de decisão! Enquanto o cansaço de sermos conduzidos não resulta em frutos; ou, se resultar, não são nossos, como as decisões não são e as vitórias não devem ser consideradas nossas... Não te sintas clandestina. Vive. Arrisca. Apresenta-te na casa das máquinas! Abraçossssssssssss

      Excluir
  2. Belo e instigante questionamento! Adorei! Não podemos apenas ser transportados pela vida...Precisamos ser o maquinista! abração,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que sim, que é instigante, sim. Só há uma pessoa, no trem, que vê à frente e, portanto, para onde o trem vai; ou, olhando do inverso, só há uma pessoa que vê o que está por vir! É o condutor. Os demais, veem a vida passar aos lados de si. Ser passageiro é uma vida de surpresas! Surpresas têm seu lado bom, mas somos reféns do que quer que aconteça. Ser condutor é uma vida de expectativas, de cálculos, de visão do porvir. Deveras, também me parece melhor essa posição! Abraçossssssssssssss

      Excluir
  3. Bela pergunta as vezes tomamos posições contrárias.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Contrárias ao que deveria ser?! Eu entendi que quiseste dizer isto. Se foi, eu concordo. Às vezes esmaecemos e deixamos que tudo siga. Isso não é bom. Pois raramente alguém fará melhor por nós que faríamos. Raramente alguém acertará melhor do que nós o que desejaríamos... Então, a melhor pessoa para estar ali somos nós! Beijosssssssssssssssss

      Excluir
  4. Eu já fui passageira, mas hoje sou a condutora...
    Não tenho mais medo de seguir meu próprio caminho!!!

    Um beijo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E como isso é importante, Rebeca! Sob todos os pontos de vista do mundo, da vida, dos relacionamentos, conduzir-se é fundamental. Se queremos ser felizes, precisamos nos responsabilizar por todas as nossas escolhas, ter consciência de que a decisão foi nossa, e que estamos onde queremos, fazendo o que escolhemos, vivendo do que gostamos e com quem gostamos. Segue sem medo! Sê feliz! Beijosssssssssssss

      Excluir
  5. Tento ser condutora, mas às vezes a vida surpreende e vc se vê passageiro...rsrs Sempre é tempo de reassumir o comando...adoro essas frases curtas que postas e nos fazem refletir tanto! O que mostra que um texto efetivo, não precisa ser necessariamente um textão!BJs =*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, às vezes acontecem surpresas! rs Fazemos confiadas concessões, e ficamos à mercê de outrem. Bom número de vezes, a confiança é recompensada. Contudo, às vezes a decepção é muito grande. Então, penso que o ideal é nós mesmos tomarmos a condução para a maioria dos casos, e esporadicamente a confiança pode falar mais alto. Agradeço-te a observação tão carinhosa. Eu me esforço bastante por trazer pensamentos que possam gerar reflexões. É muito gratificante o que disseste! Beijossssssssssssss

      Excluir
  6. É preciso ter coragem para responder a primeira pergunta, porque nela a gente adimite ser o que se é, o que realmente somos, e não é fácil se deparar com uma verdade dessas! E é preciso ainda mais coragem para responder à segunda, "o que hei de ser?", pois a resposta é a decisão. Me deixastes pensativa meu caro amigo, bem uns 3 dias!Teu texto me fez lembrar de minha mãe que sempre repetia Guimarães Rosa: "o que ela (a vida) quer da gente é coragem". É belo como uma coisa leva a outra!
    Um grande e terno abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, querida, é preciso muita coragem para reconhecer a verdade e a responsabilidade do que somos. Se somos condutores, que estamos fazendo de nossas vidas? Se somos passageiros, somos felizes com isto? E sim, novamente, é preciso ainda mais coragem para decidir o que há de ser; porque, decidir manter-se numa posição exige certeza e coragem; e decidir mudar de posição exige certeza, coragem e grande determinação, pois mudanças não são fáceis. É belíssimo o texto que citaste. É perfeito, reflete uma sonora verdade. Abraçossssssssssssss miguxa querida

      Excluir
  7. Por vezes condutora, e em outras passageira.

    Saudades daqui, abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É vero, a maioria das pessoas adota esse posicionamento. Desde que a confiança seja respeitada, pode-se seguir assim. Saudades de ti. Abraçosssssssssssss

      Excluir
  8. Aprendendo a ser condutora, Lucas, embora reconheça que a sensação de ser passageira era muito mais cômoda. Mas, como comodismo não gera felicidade verdadeira, a gente tá preferindo o trabalho e muitas vezes a dor do conduzir! Bela e oportuna reflexão, como sempre!

    Beijooosss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deveras, é infinitamente mais cômoda! Mas toda comodidade custa o preço da passagem! Pode sair extremamente cara. A questão da felicidade depende demais de quem conduz a vida que não quisemos conduzir. Há pessoas extremamente felizes em conduzir-se e conduzir outrem, e o fazem com muito amor e muito bem feito. A questão é que tais pessoas são raras... Gratíssimo pelas palavras! Beijosssssssssssssss

      Excluir
  9. Olá Lucas
    Obrigada pelo comentário no meu blog, gostei muito. Postagem bastante reflexiva, legal. Desejo uma bela tarde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há que agradecer. Tens um blogue belíssimo. Grato a ti pela visita e pela leitura do texto. Abraçossssssssssss

      Excluir
  10. Acredito que somos todos passageiros, tentando conduzir, porém o certo é que essa viagem tem destino certo, estamos a ocupar uma poltrona a apreciar as paisagens sem saber em qual estação desembarcaremos, mas decerto a viagem continua...até a próxima estação... Bjss Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deveras. Aqui, somos passageiros; ali, condutores, ao menos no espaço entre um e outro poste de energia pelos quais o trem vai passando. Mas, ainda que fôssemos, de fato, condutores do trem, de alguma forma, estamos ‘presos’ sobre trilhos! Então, nossa condução é demasiado relativa! O Criador é quem sabe de tudo. Sabemos o que podemos... – e viajamos! Beijosssssssssss

      Excluir
  11. Se tiver Instagram, me segue?
    @cristy_nha (meu pessoal)
    @crisrumoao70

    Compartilhei umas fotos bem legais que tirei do passeio de trem que fiz durante minha estadia em Curitiba neste feriado.

    Eu estou sendo o maquinista, o condutor da minha vida. O trem ora percorre os trilhos em velocidade rápida, ora mais lenta.

    beijo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É importante seres a condutora! Ao menos para decidires algo sobre o trem, já que não podes decidir nada sobre os trilhos já postos como tua estrada... Ou seja, há coisas em nossa vida mutáveis, e coisas imutáveis. É sabedoria compreender as que podem e as que não podem ser mudadas.
      Não tenho instagram. Vou ver como faço para entrar no seu. Gostaria muito de ver suas fotos. Vou ver se dou um jeito. Curitiba é belíssima.
      Beijosssssssssssss

      Excluir

A princípio, responderei a seu comentário, pois considero isso uma parte muito agradável da postagem.